Van Gogh e a romantização da depressão

Dia desses me deparei com um twitter lá na rede social, que me causou um certo incômodo e estava rendendo mais de 10 mil RTs, veja bem, Van Gogh não comia tinta amarela para sentir-se feliz. Pelo amor de Deus!

sub-buzz-20446-1525289930-2
Felizmente o original foi excluído! Pena que as réplicas continuam…

Hoje vi uma amiga compartilhar este twitter no stories do instagram, e fiquei ainda mais triste, primeiro que essa história não tem praticamente NADA de real e segundo, que associar uma doença tão séria a um instrumento artístico amado pelo pintor para fazer parecer “bela” a questão, além de ainda usar a pergunta: “Quem é sua tinta amarela?” Dando a entender que você é o culpado pela situação em que está, por permitir que “alguém” o permita adoecer, é no mínimo, muito ignorante.

Ah, e segundo a OMS, não existe somente uma causa para a depressão, ela é um conjunto de  fatores sociais, psicológicos e biológicos, e não como comer algo tóxico.

Van Gogh nunca comeu tinta alguma para sentir- se feliz, ele chegou a comer tinta de cor não especificada – quando estava internado por conta de sua saúde mental – e tomou solvente de tinta, tudo para cometer SUICÍDIO.

É muito fácil observar a beleza das criações do artista, o quanto ele tinha talento sem se importar com o que ele sentia, e no entanto, muitas pessoas associam suas telas à sua doença, como se fosse bom está deprimido porque lhe trazia inspiração, isso não é verdade. Isso soa glamorouso, e é preocupante.

ohmyvangosh

Van Gogh chegou a se mutilar, cortando um pedaço de sua orelha, e por fim, no esgotamento final, disparou com arma de fogo contra si mesmo, sim… esse é na maioria das vezes o caminho da depressão enquanto ainda for romantizada e não tratada da maneira que deveria: Com seriedade e atenção.

Mas não culpo tais pessoas que deram RT na postagem, estamos acostumados a ter uma cultura industrial voltada para a romantização dos transtornos mentais e das doenças psicológicas, é só observar o quanto parece “legal” ser depressivo em Skins com um cigarro na mão, ouvir Lana Del Rey e dizer que “Queria estar morta”, ou mesmo, assistir Virgens suicidas e se dar conta de que o filme não retrata a questão como deveria, ao invés disso, trata com tanta sutileza que chega a parecer encantador e misterioso, e é isso que alguns diretores e músicos acabam fazendo, trazem um olhar sofisticado e criativo a algo que deveria ser tão complexo, e no entanto, vemos o belo, poético e por vezes até atraente.

Não romantize a depressão!

 

4 comentários Adicione o seu

    1. Maby Ferreira disse:

      Obrigada, Lucas! ^^

      Curtir

  1. Mayara Freire disse:

    Parabéns pelo texto!
    Que cada vez mais as pessoas parem de banalizar doenças mentais e de romantiza-las também.

    O filme dele na Netflix, se possível, assista e Nanette tbm (caso ainda não tenha visto, ela fala sobre ele no final, mas o stand-up é todo incrível! ).

    Curtido por 1 pessoa

    1. Maby Ferreira disse:

      Mayara,

      “Loving Vicent” é uma obra-prima que me fiquei até tristinha por não levar o Oscar de melhor animação, mas enfim hehe… Nanette eu não conheço, vou amar conhecer! Obrigada pela indicação! ♡♡♡

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s